Textos

TODO FIM É EM SI MESMO UM RECOMEÇO, COM ALGUMA CONTINUAÇÃO... REFLEXÃO PÓS PANDEMIA!
Convidado a refletir sobre o pós-pandemia, eu e meus botões, ficamos diante de incertezas...
A humanidade passou por diversas vezes por períodos marcados por  por surtos de doenças que a seu tempo foram entendidas, erradicadas, e ou apenas controladas.
Nesta do coronavírus, também teremos que passar por estas fases, e de certo em algum momento teremos entendido, erradicado e ou apenas controlado este vírus que paralisa a nossa sociedade global, em diversos níveis.
Assim, o quê pensar como fim?
O controle da doença, de sua propagação, de suas retransmissão?
Mas, não é só com isso que devemos nos preocupar...
Esta pandemia colocou à mostra toda a fragilidade de nossa organização social, politica, educacional, de infraestrutura, e de cuidado com o próximo, e com nós mesmos, onde aqueles com melhor estudo, posição social, econômica, puderam se precaver melhor, embora esta condição mais favorável, não tenha sido suficiente para evitar contágios, e mortes...
Assim, pensar um pós pandemia, levanta questões de ordem prática, de ordem moral e ética, a meu ver, como as que enumero aqui:
A grande massa populacional em todos os países vão ser melhor atendidas em suas necessidades e direitos como preconiza a própria ONU, em seu tratado dos direitos humanos datado de 1945?
Serão postos em prática meios de combate a doenças, através de tratamento de água e esgoto?
Serão combatidos e controlados os desmatamentos, e empreendida uma melhor consciência ecológica entre as pessoas, a partir de seus governantes, passando por todo o sistema educacional dos países do mundo?
A consciência ambiental, ecológica, com vistas a uma melhor adequação entre o labor humano e a natureza será implementada em larga escala abrangendo a grande maioria, senão todos, os habitantes do mundo?
E acima de tudo, qual ideia, norteará nesta pós-pandemia a todos, quanto ao que se entende por ser humano, e por humanidade?
Assim, destas linhas gerais, emergem muitas de minhas duvidas e incertezas junto aos meus botões!
Haja visto que nesta pandemia de certa forma até o meu direito de ir e vir, parece que foi tolhido, senão diminuído e aplainado...
Tendo em mente que a disputa entre ciência e mercado, podem ter colaborado para uma reinfecção pelo coronavírus...
Tendo em mente também, que uma volta ao trabalho, sempre urgente, e necessária, tornou-se motivo imperioso para se ganhar as ruas, o transporte público, etc.
Mas, neste item, onde está o valor humano, onde está a preservação de nossa humanidade, se antes de tudo somos como que escravos, dependentes de nossas atividades profissionais remuneradas?
Mas, até aqui neste ponto de raciocínio, como pensar num pós-pandemia, se mesmo antes dela chegar a um bom termo, inúmeras posições de trabalho estão sendo cortadas? Fato é que já vinham sendo antes da pandemia, mas é fato notório também
que com o evento da pandemia, este corte foi acelerado!
Junta-se a isto, a crescente automação, digitalização, que tem desempregado inúmeros trabalhadores...
As condições de trabalho tem se modificado mais rapidamente no decorrer desta pandemia, exemplo claro são as atividades em home office, que tendem a aumentar exponencialmente.
E neste cenário até atividades educativas, que até este momento eram essencialmente exercidas presencialmente, agora estão sendo efetivadas por teleconferências...
E o computo do que foi aprendido corre o risco de ser efetuado por robôs computadorizados?
Assim, onde o humano, onde a humanidade?
Todo fim é em si mesmo um recomeço, e como todas as coisas e todos os seres não tem fim juntos, ao mesmo tempo, o que se pensar desta tão desejada pós-pandemia, o que se desejar para esta pós-pandemia?
Lembrando que o desejo pessoal, é único, quando muito abarca aos nossos familiares, e não se reflete imediatamente e instantaneamente em nossa sociedade, e em nossa cultura de massa.
Tendo isto em mente, que esta pós-pandemia vindoura, pela qual ansiamos com fervor, possa ser marcada pela valorização do que nós é mais caro, mais urgente, mais importante!
Que no transcorrer desta quarentena, possamos valorizar mais a nós mesmos e as pessoas ao nosso redor, partindo-se do seio familiar, núcleo central de nossa sociedade, núcleo familiar que seja estruturado em bases sólidas de amor e respeito mútuo... A partir de nossas famílias possamos valorizar os amigos, os mais afeitos ao nosso coração, e os mais afastados!
Possamos valorizar os estranhos, os estrangeiros, os migrantes, os imigrantes!
E assim, após a permanência deste amor e respeito em nós, possamos transferir, pós-pandemia, aos nossos dirigentes esta consciência de respeito mútuo, de amor fraterno, pelo próximo, pelo outro, por todos,
pois se não assim o fazermos estaremos fatalmente condenando outras gerações,além das nossas, para que passem sem salvaguardas por outras crises, seja de saúde ou outras...
O futuro, qualquer que seja ele, não tem raízes no que chamamos de presente, no agora?
O meu raciocínio foi construído e desenvolvido com vistas ao geral, focado no nós, nos outros, em todos, salientando as mazelas dos mais desprovidos, que vivem a mercê das vontades politicas, econômicas,
sob as quais já vivem desde o nascimento...
Meu pensamento para um pós-pandemia tem por base a certeza de que tudo o que estiver em minhas forças será feito, por mim, pelos meus, por alguns outros, mas ressalvando que a grande tarefa nesta pós-pandemia vindoura, será o enfrentamento de questões outras, morais, éticas, sociais, educacionais, de infraestrutura, que cada um de nós, bem antes de nosso próprio nascimento, temos dado, relegado a outros, através do contrato social sob o qual vivemos, e que perfaz a raiz e a espinha dorsal do que chamamos de sociedade!
Em tempo; enquanto, agora, e no pós-pandemia, cada um de nós estiver lutando apenas com as próprias forças, sem fraternidade, sem união e sem objetivos únicos, estaremos apenas sobrevivendo, e alguns estarão bem melhores do que muitos de nós...
Todo fim é em si mesmo um recomeço, com alguma continuação...
Nesta pós-pandemia, o que teremos de novo? O quê continuará o mesmo?
Seja qual for a resposta vindoura, está em nossas mãos, pois depende de cada um e de todos nós!
Por desejo, espero que o pós-pandemia mostre uma face mais humana para a nossa humanidade, e por esperança desejo que esta face mais humana seja nova, sem tantas marcas, ou nenhuma, da arrogância, da intolerância, que assolam muitos de nós!
Certamente, infelizmente, o pós-pandemia vindouro, não será ainda um paraíso em vida, mas que não seja a continuação de nossos piores erros...
E para que não alcancemos este paraíso após uma morte prematura, cumpre no aqui e no agora, neste pré pós-pandemia que tratemos a todos com extrema equidade, em todos os aspectos que nos digam respeito enquanto humanos, em busca de uma humanidade benfazeja para todos nós, e esta equidade tem que ser politica, tem que ser cultural, tem que ser pessoal.

Edvaldo Rosa
www.sacpaixao.net
02/09/2020
  
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 24/06/2021


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr