Textos


Mãe

Não fique sem elogiar sua mãe, saiba que neste momento você poderá contar com os Cadernos Negros.

 

Uma Homenagem do Quilombhoje Literatura.

 

Mãe, quantas vezes você me viu derramar lágrimas, me sentir sozinha, e, quando eu olhava para onde só meus sonhos podiam alcançar, você me pegava no colo e com sua fala suave me demonstrava carinho e afeto.

Saiba que és meu tudo, minha estrela guia, meu ancoradouro, a pessoa que me aceita do jeito que sou, que me dá amor sem pensar em recompensa. Sou muito grata por tudo que fez por mim.

Muito obrigada por esse amor incondicional, pelo seu afago que carrego comigo e sua ternura insubstituível.

Pois durante todo esse tempo sempre esteve do meu lado, me ensinando a ter fé e mostrando o caminho certo das coisas. Já passei por muitos tropeços e experiências que a vida me trouxe, e você sempre me falou sobre a nossa cultura afro, a importância de nossa identidade, de como nos valorizar, e hoje eu sei o que significa.

Você é minha jóia rara, a pessoa que fez com que eu fosse tudo o que sou, que me deu tudo o que tenho, que é como o sol, pois mesmo que o dia esteja nublado eu sei que ele existe e está ali.

Eu te amo muito, e sei que esse sentimento nunca irá acabar, eu daria o mundo a você se preciso. E como minha mais doce homenagem, lhe envio um poema.

                                                                                                                              Sua filha

O cuidado da minha poesia

aprendi foi de mãe

mulher de pôr reparo nas coisas

e de assuntar a vida.

 

A brandura de minha fala

na violência dos meus ditos

ganhei de mãe

mulher prenhe de dizeres

fecundados na boca do mundo.

 

Foi de mãe todo o meu tesouro,

veio dela todo o meu ganho,

mulher sapiência, yabá,

do fogo tirava água

do pranto criava consolo.

 

Foi de mãe esse meio riso

dado para esconder

alegria inteira

e essa fé desconfiada,

pois, quando se anda descalço

cada dedo olha a estrada.

 

Foi mãe que me descegou

para os cantos milagreiros da vida,

apontando-me o fogo disfarçado

em cinzas e a agulha do

tempo movendo no palheiro.

 

Foi mãe que me fez sentir

as flores amassadas

debaixo das pedras

os corpos vazios

rente às calçadas

e me ensinou, insisto, foi ela

a fazer da palavra

artifício

arte e ofício

do meu canto

da minha fala.

 

                                             Conceição Evaristo

Cadernos Negros Três Décadas. São Paulo: Quilombhoje, 2008

 

 


DE MÃE

 

Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 12/05/2008
Alterado em 01/06/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr