Textos


MINHA PINTURA...

Para Maria Auxiliadora dos Santos
 
“O caminho que eu escolhi é o do amor. Não importam as dores, as angústias, nem as decepções que vou ter que encarar. Escolhi ser verdadeiro. No meu caminho, o abraço é apertado, o aperto de mão é sincero. Por isso, não estranhe a minha maneira de sorrir e de te desejar tanto bem. Eu sou aquela pessoa que acredita no bem, que vive no bem e que anseia o bem. É assim que eu enxergo a vida e é assim que eu acredito que vale a pena viver."

Clarice Lispector
 
E lá se vão alguns anos, instantes apenas perante a eternidade, eu sei... E nós aqui estamos, lado a lado, nunca desbaratados, um para cada lado, um na frente do outro, antes, de mãos dadas, rosto quase colados um ao outro, e o olhar que penetra pelos olhos do outro!
E lá se vão algumas lágrimas, e sorrisos tantos...
Vi estes dias, uma foto que você me diz ser a tua...
Sismo... Embora jure que é você!
Se a mulher da foto é você, quanto me espanto!
Naquela face eu procuro a tua, naqueles olhos eu procuro os teus...
Aquela boca, esta sim eu estranhei um tantinho apenas...
Pois estou acostumado a beijar estes lábios de agora, que a vida aplainou com as traquinagens dela...
Naqueles pareceu-me ver certa fúria!
Decerto, pela idade tão tenra...
Por não terem sido ainda testados pelas argurias da vida, nem terem experimentado o doce e o sal da vida nesta terra...
Tremi ao ver aquela foto que dizes ser tua... Temi que aquela não viesse a me querer como você me quer agora!
Temi que até aqueles olhos, mirassem outros horizontes para eles próprios, horizontes que sinto eu nem estaria...
Vi, com certa alegria e ternura, como me foram favoráveis o destino e a vida, que nos uniram quando já calejados, eu tinha amadurecido e você já era bem mais senhora de si mesma, e não de algum arroubo da juventude!
Bem disse o tempo...
Se eu te conhecesse naquela altura, decerto me apaixonaria...
Uma possível recusa tua, me seria a morte, ou prenúncio de alguma loucura.
Se agora, tua lágrima me afoga, teu silêncio me sepulta, tua ira me esmaga, imagina tudo isto antes, quando eu nem tinha amado tanto, nem tinha ganhado e perdido tanto, para perder-te por sua recusa?
Deus é testemunha de meus achaques...
Do que me atormenta e inculca.
Do medo de perdê-la, de voltar para casa e não ter os teus abraços, ou ao sair não perceber que seu aceno é de despedida e não de um até breve...
Seja como for, seja aquela foto lembrança de teus idos anos, ou alguma arte de algum APP, você sempre, para mim foi linda...
E considerada uma obra de arte!
Em minha mente faço com que você seja o modelo ideal para uma pintura, que com o passar do tempo Deus vai dando alguns retoques...
Não falo de rugas, ou de nada parecido...
Falo da beleza em teus olhos, do brilho claro em teus olhares...
Falo da delicadeza em teus abraços, da doçura em teus beijos, do sabor de pecado em teus lábios, que eu abocanho com fome e com fúria!
E eu não amo aquela da foto mais do que a ti de agora, amo a ti que foi aquela um dia, aquela que é base para esta mulher tão forte, que carrega em seus braços o meu amor, e a minha loucura!
Nem tente rebater isto que eu lhe digo, embora tenha o direito de falar:
É só assim que eu sei te amar...
 
Edvaldo Rosa
www.sacpaixao.net
13/08/2019
 
 
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 13/08/2019
Alterado em 13/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr