Textos


BENTEVI, ITAIM...
- PRIMEIRO LIVRO-CD DO "MENINO AMARELO".



Em minha biblioteca acontecem reencontros...
Hoje me reencontrei com o “Menino amarelo”, Akira Yamasaki, poeta, ativista cultural, do Itaim Paulista, zona leste de São Paulo, que se acha um “bom poeta ruim”.
Através de seu livro-Cd Bentevi, Itaim, eu pude reler poemas que há muito calaram em meu coração... E me deliciar com uma produção poética em que, segundo Gilberto Braz, se encontra “densidade, economia e simplicidade” com “engenhosidade de imagens e metáforas talhadas pelo amor, pela ternura, ou colhidas a fórceps em jardins de solidão e indagas”.
Mas é um fato, os poemas de Akira Yamasaki, neste “Bentevi, Itaim”, tem densidade, pois falam ao nosso coração, a nossa sensibilidade e a nossa alma, por vezes econômico nas palavras, e estas são sim, de fácil entendimento... Akira escreve tão naturalmente, quanto não fala... É tímido!
Quanto a vida, em seu poemas “Entalhes” é taxativo, “Não existem retornos, por alguns caminhos” e no poema “Escolhas”, arremata, “Nós então decidimos, depois carregamos, nossos destinos.”
Em “O caminho” confidência, “Meu caminho, sigo o meu caminho, é mais forte do que eu, apenas sigo”.
Por meu turno, eu faço anotações deste caminhar pela vida, sendo sempre levado por ela, mas deixando marcas ao caminhar...
Esta indicação do livro-Cd Bentevi, Itaim, de Akira Yamasaki é uma dessas marcas que não quero que se apague de meu sentir... E que sinto que seria muito bom que ganhassem uma maior audiência...
A poesia de Akira é daquelas que trás as marcas de seu tempo, de seu espaço social e mental, num ir e vir entre as interações do individuo com o meio onde vive, e as sensações que nesta interação experimenta.
-É também uma poesia social, é também uma poesia romântica. E lirica!
Encanta-me neste livro a profusão de poemas que soam como reflexos de meu viver, de meu sentir, reminiscências de minha infância, que ele, Akira Yamasaki trás a lume sem a minha permissão... Das lembranças de tenra idade, dos caminhos e descaminhos, do grande amor, e do fim da vida, Akira faz a sua poesia.
E é um material muito idêntico aos encontrados nas lembranças e nos corações de todos nós... Nos retalhos de nossas memórias!
Assim, Akira Yamasaki, poeta, ativista cultural, da periférica zona leste de São Paulo é indiscutivelmente universal neste “Bentevi, Itaim” livro-Cd, que reúne pela primeira vez os seus escritos.
Os poemas que mais me emocionam são os da série “O jardim de Hideko”, e os da série “Semáforo”, “O menino amarelo”, “Pré-natal”, “Assim como essas crianças”...
Este livro é fruto e é filho de um coração que vibra e que ama, de uma alma que se irmana ás daqueles que correm o trecho consigo, este livro é um grito que rompe o silêncio de vidas anônimas, e lhes dá voz, e lhe trás sentido.
Este livro, este poeta, Akira Yamasaki, - Romântico, lírico, sarcástico, simples e profundo, traça uma nova rota no mapa da poesia contemporânea... E demonstra que a vida vai além dos grandes centros e que existe alma nas periferias!
E que se não abrirmos os olhos, teremos deixado passar o tempo, tanto em Itaquera quanto em qualquer outro lugar do planeta e assim desarmados com certeza (...) “as felicidades tenham cruzado” conosco (...) “ da escada rolante contrária".
-Mas este livro-Cd tem muito mais para encantar!
Os sons que envolvem as poesias de Akira Yamasaki, no Cd que acompanha o livro, dão testemunho da fortuna cultural que a Zona Leste exala...
Será que não evolam também, das flores, do "Jardim de Hideko"?

Edvaldo Rosa
www.sacpaixao.net
27/09/2016


Indicação deste livro está em: Coluna Biblioteca & Literatura
Pag. 38 e 39 da http://revista.plenaidade.com/outubro-rosa/



 
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 07/11/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.


Comentários