Textos


Antes que as sensações do natal se acabem em nós...*


Estou sentindo ainda a presença em mim das sensações vividas neste último natal.
A alegria foi imensa, e tanta, que me espanta, surpreende, encanta!
Li uma crônica de Raimundo Palmeira, "DE REPENTE, É, OUTRA VEZ, NATAL!'
um irmão, poeta de Maceió, e certos pensamentos vieram aos borbotões dentro de mim...
Queria que este natal tivesse sido maravilhoso e belo, e pleno para todas as pessoas, conhecidas e desconhecidas por mim... Mas sei que talvez não tenha sido assim, embora saiba que a forma como encaro a vida é algo particular e por isso restrita! A felicidade existe, de uma forma distinta em cada ser...
Desejo, no entanto, que antes que as boas sensações vivenciadas se percam, diante da correria do dia a dia, ainda mais com a proximidade do final de ano, faça morada cativa nos corações e nas mentes do maior número de pessoas, e embora possam ser delicadas sementes, estejam fixas, enraizadas em cada ser, e assim frutifiquem...
A fraternidade em família, a dispensada para pessoas amigas, não deveria ser esquecida!
A união entre pessoas dispares, a comunhão de mentes e corações impares, deveria ser uma lição aprendida, e estendida á comunidade, á coletividade!
Natal é uma festa de renovação e de esperança!
E quantos não necessitam sentir esperança?
E quantos não carecem de renovar-se?
Tudo parte do individuo á coletividade... E assim, é mister que cada um de nós faça o nosso melhor, visando o bem para nós mesmos, e para as pessoas próximas, para depois com naturalidade expandir-se á coletividade!
É para mim inevitável pensar em Epicuro, e que deveríamos viver com o que realmente necessitamos, e não com esbanjamentos vários, pois para ele a felicidade não reside no esbanjamento de coisas e dons...
Como seria bom se cada individuo tivesse o seu quinhão de bens materiais, que suprissem suas necessidades, e que todos soubessem viver assim deste modo, ajustados á esta filosofia de vida!
Fico imaginando como pode pessoas de poder e influência, viverem nababescamente, ás custas de tantas outras na penúria e na miséria...
Como pode poucas pessoas viver endinheiradas, enquanto tantos outros contam trocados, para a compra do pão de cada dia... É verdade que não são todos que vivem assim na usura, e não são todos que gastam os seus tostões para a compra de um pão...
Quanto não deveria ainda ser feito?
Quantas esperanças já nascem nati-mortas?
Quantas renovações não são necessárias?
Meu pensamento toca Santo Agostinho, que nos diz que a maldade é falta, impureza, estritamente humana, não é imanada de Deus... O natal não é a comemoração do nascimento do Filho de Deus que se fez carne?
E a maioria de nós, será que nota este aspecto divino e transcendental da comemoração natalina?
Fico pensando, que o que vivemos é fase, que passará um dia, com caráter cultural, social, sujeita á modismos e várias injunções mais...
Sei que existe um grande número de pessoas que trabalham pelo bem do próximo, animados por suas convicções positivas e esperançosas, mas é preciso mais, é preciso que se faça agora, uma renovação, uma revolução de conceitos e praticas, tanto individuais quanto comunitárias.
Sei que modelos econômicos, postulados de políticas públicas não mudam de uma hora para outra, e assim proponho uma ação inicialmente individual com vistas ao bem...
Parte de cada um a iniciativa para as mudanças de paradigmas!
Assim, meu pensamento vai se cristalizando, e com certa preocupação me pergunto: Tenho feito a minha parte?
Imagino que se as pessoas de meu circulo de atuação estão bem, tenho feito a minha parte, se não estão bem, não tenho agido de acordo... Embora cada uma delas tenha a sua cota de participação neste processo!
Fica ao final, no frigir dos ovos, que este foi um ótimo natal para mim, e que desejo que tenha sido também para outros... Minhas considerações tocam pontos discutíveis, polêmicos, que talvez não cheguem a bom termo nestes dias que correm, por causa de sua natureza; a caracterização de bem e de mal, ultrapassa a capacidade humana do momento!
Nietzche que o diga!
 
Edvaldo Rosa
www.sacpaixao.net
26/12/2011

* Ilustração de Nanci Laurino
 
 
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 26/12/2011
Alterado em 27/03/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr