Textos


“Maresia”, de Raimundo Palmeira, por Edvaldo Rosa.

No momento em que estamos passando por crises de identidade, onde cada membro da sociedade tem seus papéis postos á prova, e em muitos casos, as pessoas caem em crises existenciais, recebi, em mãos, o livro “Maresia” do poeta Raimundo Palmeira. Um livro que põe a mostra um poeta sem medos ou traumas, consciente de si e do mundo em que vive.
Sua capa em tons de azul é um convite para que se entre no mundo deste poeta...
Suas primeiras páginas,deixa-nos a vontade,em suas apresentações, como se fizéssemos parte de sua vida, tanto poética quanto pessoal.
Mais que isso, Raimundo Palmeira, com um estilo ágil, sonoro, cadenciado,apresenta por inteiro; amores, familiares,  seu presente e seu passado,com fluidez e elegância.
Um homem que valoriza as suas raízes, delas não se afasta um instante sequer, e por isso mesmo,valoriza-se sobremaneira.
Raimundo Palmeira é um poeta completo, pois detém domínio sobre as palavras, refletindo por intermédio delas o que vai em sua alma.
As influencias que recebeu em sua vida, no que tange a poesia,presentes no livro, são de poetas de peso, com respeitado carisma...
Terá Raimundo Palmeira, influências para a sua poesia no lirismo de Vinícius?
Será que Raimundo Palmeira, teria norteado os rumos de suas poesias pela bússola de J. G. De Araújo Jorge?
Pela leitura de seus poemas, a resposta é sim, mas apresenta neles também, um novo enfoque, uma nova visão sensível e humana,bem pessoal...
Raimundo Palmeira é de Maceió, advogado criminalista, professor de direito e poeta.
Fico pensando como estes atributos puderam se combinar para produzir “Maresia”...
Tanta vivência,com certeza trouxe para a sua produção poética um amadurecimento sereno e tranqüilo...
O advogado criminalista, o professor de direito, tão acostumados com as mazelas humanas, trouxeram uma maior e melhor valorização das coisas mais simples e básicas da vida: as pessoas, suas histórias, sua permanência junto a nós, seu afastamento, sua morte inevitável!
Lendo as páginas de “Maresia”, senti como se fosse eu mesmo que estivesse frente ao mar. As confidências em seus poemas pareceram-me tão minhas!
Os poemas de Raimundo Palmeira calam fundo na alma da gente, despertando e aguçando as nossas sensibilidades e falam conosco de uma forma tão amável e amiga, que não nos sentimos sós...
Alguns de seus poemas, trazem consigo um algo mais, que mesmo finda a leitura, permanece em nossa mente... Alguns de seus poemas dizem mais do que esta escrito nas folhas do livro, onde repousam a espera de quem lê-las...
Se não querem dizer mais do que esta escrito, retiram de nós pensamentos e sentimentos que consoantes com o que esta escrito, parece ser da lavra do autor, e não parte de nós leitores...
“Maresia” é um grande diálogo, onde nós conversamos conosco mesmo, estando frente ao mar, relembrando os caminhos que trilhamos, buscando junto a maresia que vem do mar, os cheiros de nossa mocidade, o perfume de nossos amores, e as lembranças de  nossa infância e das pessoas que nos são tão
caras...
A presença de versos de Vinícius nas páginas iniciais do livro não é gratuita, é um alerta quanto a complexidade e ao mesmo tempo simplicidade inerentes á alma do poeta.
E J. G. De Araújo Jorge, vem corroborar com esta afirmação.
Na apresentação da obra, o poeta Raimundo Palmeira, desloca a importância de seus versos, e a existência de seu livro “Maresia”, para o leitor... Para o esteta, o leitor é mais importante do que ele próprio!
Visão humana, sensível, amorosa!
Será que a sua vivência como criminalista, ajudou Raimundo Palmeira a enxergar o que existe de melhor na alma humana?
E a dosar o que tem no coração?
Raimundo Palmeira é um ser que transita entre a luz e as trevas, inerentes á alma humana, que usa de metalinguagem para falar de si e em seu trabalho.
Em “Maresia” encontramos poemas em versos brancos e sonetos, que convivem em plena harmonia.
Em “Maresia” encontrei St. Exupéry,
encontrei Clarice Lispector!
“Maresia” é um livro que contempla aspectos materiais e espirituais, é a vida que pulsa livre e solta, com seus determinismos e seus mistérios!
Fiquei pensando após a leitura deste livro, "Maresia", de Raimundo Palmeira, se as mãos dos artesões têm noção do que tecem, enquanto escolhem determinados fios em detrimento de outros...
O que pensaria tal artesão, enquanto tece a sua tapeçaria?
Teria noção do que a sua arte provocará em sua audiência?
Assim é Raimundo Palmeira em “Maresia”!
Um esmerado artesão que tece a sua obra, sabendo ou não o que provocará em seus leitores.
Certos mistérios que ocorrem na vida, podem ter explicações muito simples, um comentário ouvido por mim, algum tempo atrás, traz sentido para o presente momento:
 “Deus cria da mesma forma todas as suas maravilhas, mas algumas só podem ser percebidas pelos olhos da sensibilidade!”
Raimundo Palmeira em “Maresia”, tem esta característica: sua sensibilidade esta de olhos bem abertos! Quem ganha muito com isso é sem sombra de dúvida, todos nós, os seus leitores...

Edvaldo Rosa

www.sacpaixao.net
17/09/2010
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 25/09/2010
Alterado em 06/08/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr