Textos


“Lados opostos” - Soneto

A soleira da janela é arrimo ao corpo cansado
Neblina no peito, condensada dor, e letargia
A beleza estonteante do horizonte alaranjado
Era só a evidência de mais uma noite de vigília

E num tempo que tem pressa, a noite se alonga
Trazendo na quietude a sensação de abandono
Do outro lado do vidro, quem a vida prolonga
Sorri, diz que desse lado, um anjo vela seu sono

Anjo... que queria o poder de minar toda dor
Cuja fé vacilante, hoje o faz impotente e vão
Camufla num sorriso o frio alojado no coração

Porque nem todo dia, a alma é leve, e tudo é flor
Nem todo dia se consegue flutuar como pluma
Nem todo dia o sol faz dissipar a densa bruma...

Glória Salles
(ao meu paizinho)

SONETO RECEBIDO EM 10/03/2010 VIA ORKUT


OPOSTOS LADOS... - VERSO BRANCO
 
A vida vai colocando a gente
Em lados aparentemente opostos...
Vai confrontando os rostos,
Fixando mais o olhar da gente,
Depurando os pensamentos,
Tornando nossos sentimentos transparentes!
Estranha é a vida da gente,
Que vivemos por tantos anos...
De repente dá um tranco,
Muda rumos, mostra-nos o diferente!
Opostos lados, mostrando os seus ângulos!
Para no fim deixar em nosso ser,
A sensação do que é viver...
Do que é estar no lugar do outro,
Como ele esteve, no nosso, em algum momento...
E de descoberta em descoberta,
 A nossa história como que desperta!
E descobrimos o que nos torna humanos...
 
Edvaldo Rosa
12/03/2010
WWW.SACPAIXAO.NET
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 10/03/2010
Alterado em 12/03/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr