Textos



Val...



V er uma flor na natureza já é uma coisa bela,
A vida assim livremente se expressando,
L ivre e leve... Solta ás caricias do vento,
D elicadamente afeita ás caricias das aragens...
I r ao sabor do vento, palpitando, como a vida em nosso peito!
C alas a minha voz sempre quando te encontro, sabias?
E m cada encontro que a vida nos prepara!
I nda que não me creias, és flor de inumeros encantos...
A inda mais quando ao ar lança suas madeichas...

V ejo ante olhares, de sosláio, que me encanto,
E ntre as palavras que trocamos,
R iquezas feitas por Deus nesta terra,
A s riquezas que guardas bem no fundo de peito!
S ilêncioso peito, que nada reclama... 

V eras que entre todos os momentos que vivemos
A chance de roubar-te um sorisso não perco,
L oucamente ando assim te roubando, sorissos
D elicadamente tecendo o nosso dia,
I nspirando o perfume que exalas
C rendo em cada palavra que me chega aos ouvidos...
E sperando como que numa ante sala,
I nesperados trejeitos entre seus gestos lindos...
A
té que venha a hora que nos separa!

V erás que assim procedo,
E m tão louco comportamento,
R indo as gargalhadas, com o que minha loucura em ti provoca,
A penas para ver-te sair desta sala, em que espera que a vida te provoque!
S oturna e triste, numa infindável espera... 

Eu participei da maratona de acrósticos.

“VEM COMIGO” VENHA VOCÊ TAMBÉM!


Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 21/03/2006
Alterado em 28/03/2006
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Shandi-lee/flickr