Meu Diário
29/09/2005 21h25
Recomendo...
Recebido o comunicado abaixo, repasso a todos os interessados:



Câmara_de_Cultura_Antonino_Assumpção



POESIA & PROSA & VICE-VERSA
SESC Consolação
(R. Dr. Vila Nova, 245 - V. Buarque - São Paulo - SP - F: 3234-3009/3011/3052)
Sala Ômega - 8° andar
Grátis
www.sescsp.org.br

Segunda, 26 de setembro
20h - Rodrigo Lacerda & Leonardo Martinelli conversam com Tarso de Melo.

Terça, 27 de setembro
20h - Beatriz Bracher & Alberto Martins conversam com Bernardo Ajzenberg.

Quarta, 28 de setembro
19h - Marcelo Pen & Andréa Saad Hossne conversam com Heitor Ferraz.
20h30 - Cassiano Elek Machado & Manuel da Costa Pinto conversam com Marcelino Freire.

Quinta, 29 de setembro
20h - Cadão Volpato & Micheliny Verunschk conversam com Xico Sá.

Sexta, 30 de setembro
20h - André Sant 'Anna & Fabiano Calixto conversam com Fábio Weintraub.

Dia 30 de setembro, às 20h,
na Câmara de Cultura Antonino Assumpção (SBC),
SEXTA MUSICAL com:

Jazztual
Cinco vozes, nenhum instrumento, pura emoção...
O Jazztual é um dos pioneiros no Brasil da introdução do conceito de "banda vocal": explorando as possibilidades e estendendo os limites do canto a cappella (sem acompanhamento de instrumentos), este quinteto vocal vem surpreendendo e encantando as platéias para as quais se apresenta.

Um show composto por arranjos próprios e um repertório variado indo da MPB, Jazz, Sprituals ao Rock anos 50. Entre as músicas apresentadas estão algumas como: DOM DE ILUDIR (Caetano Veloso), LEAVE IT (Yes), S.O.S. (Raul Seixas), BLACK IS BEATIFUL (Marcos e Paulo Sérgio Valle), MARINA (Dorival Caymmi).


Entrada Franca

Câmara de Cultura Antonino Assumpção
Rua Marechal Deodoro, 1.325 - Centro
São Bernardo do Campo – SP
F: 4125-0054

Publicado por Edvaldo Rosa em 29/09/2005 às 21h25
 
28/09/2005 20h42
Apresentação de GILBERTO GASPAR
AS FLORES E SEUS FRUTOS POÉTICOS

Dia 30 de setembro, às 19h
Av. Paulista, 37
(perto do Shopping Paulista / Metrô Brigadeiro)

Entrada franca

GILBERTO GASPAR, autor do livro NOS BRAÇOS DO SOL,
é poeta, seresteiro, compositor e trovador,
além de ser um contador de "causos" dos bons.

Nesta apresentação mostrará, de modo especial,
alguns trabalhos que são fruto de sua original observação da Natureza.
As poesias caipiras, sempre pedidas, estarão no programa.

Publicado por Edvaldo Rosa em 28/09/2005 às 20h42
 
23/09/2005 10h56
Lançamento da Revista da Fundação Cultural Palmares
Lançamento da Revista da Fundação Cultural Palmares


23/09/05 - sexta-feira - Museu Afrobrasil

Programação

15 horas
Diálogos sobre Zumbi + 10
Coordenação Prof. Dr. Ubiratan Castro de Araújo

19 horas
Abertura Oficial
Pronunciamento do Presidente da Fundação Cultural Palmares,
Prof. Dr. Ubiratan Castro de Araújo
Lançamento da Revista Palmares,
com presença de autores de São Paulo
Assinatura do Termo de Cooperação Técnica entre a Fundação
Cultural Palmares e o Museu Afrobrasil
Exibição do vídeo premiado Iyalodé -Damas da Sociedade
Exibição do "Vídeo Balé do Senegal" - FCP

21h30m
Show: Dinho Nacimento

Endereço: Parque Ibirapuera - Portão 10
Museu Afrobrasil ( Auditório Ruth de Souza)

Publicado por Edvaldo Rosa em 23/09/2005 às 10h56
 
21/09/2005 15h03
Beijo II
Recebi esta poesia de um amigo e repasso com carinho!

BEIJO II


Falar de algo prático
Conceitualmente é impráticável
Teorizar em cima de algo sensível
É insensibilidade filosófica.
Afinal,
Sentir e perceber
Amar e desejar
Completam a fragância "carinho"
Mas,
Sentir a brisa tocar o rosto
Num frescor matinal
E o sonho viajando esferas
Como Afrodite amando Apolo
Seria a tradução
De um beijo bem dado
Por dois amantes
Misturados com o suor
De seus corpos...



SUCENA
--

Publicado por Edvaldo Rosa em 21/09/2005 às 15h03
 
14/09/2005 11h56
Hoje eu estou cheio de perguntas...
Somos quem somos?
Esta dualidade que me permeia confunde.
Difunde, margeia, semeia caos, candeia
Sem luz, não conduz, contunde, mareia.

Fomos quem somos?
Tempo, areia me enterra ou aterra,
me apoia ou me prende,
me tolhe ou distende,
me cala ou me berra.

Calor e frio, vazio, completo
carente, repleto, sonhador, concreto.
Dualidade, maldade, fiel sem balança,
andança, estaguinação, mansidão, pujança.

Metade de mim arde, a outra congela.
Metade de mim é vida, a outra mazela.
Metade de mim irrompe, a outra afunda.
Metade de mim é glória, a outra imunda.

Seremos quem fomos?
Somos quem somos?
Dualidade, perversidade ou caridade?
Torvelinho, remanso, ação ou descanso.

Não sei! Se alguém sabe me conte.
Mas conte de manso.

- Jorge Reigada -

Depois de ler esta poesia alguém tem algo a comentar?

Publicado por Edvaldo Rosa em 14/09/2005 às 11h56



Página 8 de 10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 [«anterior] [próxima»]